O TEMPO (parte 3)

O PRIMEIRO RELÓGIO

No início da Civilização, vivendo da agricultura e da criação de animais, não havia utilidade para o homem medir pequenas unidades de Tempo. O tempo útil era o tempo em que havia luz diurna, onde podia-se trabalhar. Medir o Tempo era saber quanto tempo de Sol havia.

Os primeiros instrumentos de medição foram Relógios que marcavam a passagem do Sol pelo céu. Neste tipo de Relógio, a sombra de uma vara torna-se cada vez mais curta a medida que o Sol se levanta, até desaparecer quando o sol atinge seu ápice no céu (sol a pino), e volta a crescer conforme o Sol se põe.

Durante séculos, a sombra do Sol foi uma medida universal de Tempo. O inconveniente é que não funcionava em dias nublados, nem durante as noites.

https://www.youtube.com/watch?v=i8TPzjjrjjI

(Aprenda a fazer o seu próprio Relógio de Sol)

AS HORAS

Mesmo em dias de Sol brilhante, o movimento da sombra era tão lento que de nada servia para marcar os Minutos. Além disso, somente no Equador, os dias e as noites têm a mesma duração.

No resto do planeta, o Tempo de luz do dia varia conforme as Estações do Ano, e a Latitude do lugar em que se está. Tornam-se mais curtos os ou mais longos entre o inverno e o verão; e conforme a distância para os polos.

Na tentativa de contar unidades menores de Tempo, os Relógios de Sol ganharam 12 divisões iguais entre o nascer e o pôr do Sol. Mas devido a diferença de luminosidade no planeta, 1/12 unidade do dia demorava mais a passar em determinada data e local, conforme a época do ano.

AM – PM

Sem conseguir subdividir o Tempo de forma adequada, os Romanos adotaram a divisão oficial do dia em duas partes, o “Antes do Meio-Dia” – A.M. (Ante Meridien) e o “Depois do Meio-Dia” – P.M. (Post Merídien).

Ao longo do tempo surgiram subdivisões. A “Primeira Parte em Manhã” (Mane) e o “Antes do Meio Dia” (Ante Meridien); e a “Segunda Parte em Tarde” (De Meridie) e o “Fim da Tarde” (Suprema).

CLEPSIDRA

A maneira que o homem encontrou para fugir da ditadura da noite, e continuar marcando a passagem do Tempo, foi contar o fluir da água. A passagem da água é mais fácil de se medir e controlar em unidades regulares e constantes do que a sombra, e não varia conforme a Estação do Ano ou a Posição Geográfica.

Relojes

AMPULHETA

A areia também foi usada para medir a passagem do Tempo, este tipo de Relógio ficou conhecido por ampulheta. Devido a sua dificuldade prática, por necessitar ser virada de tempos em tempos, foi usada especialmente para medir períodos curtos, como o tempo de um sermão, um discurso, ou as horas trabalhadas de um artesão ou professor.

download

MILHAS NÁUTICAS

A ampulheta foi usada para medir a velocidade dos navios. Para isso, era amarrado um fio em uma barquilha, que era lançada na água. A cada 7 braças de fio, havia um nó. Então girava-se uma ampulheta de meio minuto.

O número de nós aferidos neste tempo era o número de milhas náuticas percorridas por hora. Essa técnica de medir a velocidade durou até o século XIX.

Anúncios
Published in: on 21 de agosto de 2018 at 1:07  Deixe um comentário  

The URI to TrackBack this entry is: https://marceloaith.wordpress.com/2018/08/21/o-tempo-parte-3/trackback/

RSS feed for comments on this post.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: